Roteiro 1: A parte norte de Roma + Vaticano

roma e o vaticano

Mais um roteiro pela capital Italiana. Neste, mostro um modo fácil de simplificar seus dias em RomaVaticano. O importante é entender o mapa turístico da cidade e organizar seus passeios pensando nele. Veja esse meu aqui embaixo:

conhecendo Roma e Vaticano
A Roma dos meus roteiros

1° Roteiro: Conhecendo Roma e Vaticano

A área deste meu roteiro Roma e Vaticano corresponde aquela que eu chamo de parte norte de Roma. Defini o início deste trajeto no Vaticano. E’ um roteiro curto e o ideal é poder apreciar um lindo pôr do sol no Pincio.

Se teu objetivo é apenas caminhar por esse trajeto, em meia jornada você fará tudo. Mas se teu objetivo é conhecer o Vaticano, entrando no museu e na basílica, você fará (correndo) esse roteiro em 1 dia!

Roma e Vaticano
O Vaticano + meu roteiro ao norte de Roma

Caso não queira conhecer o museu do Vaticano (ou desejar apenas seguir a rota para ver a capela Sistina), pode usar esse tempo para entrar no Castel Sant’Angelo ou visitar um pouco partes do próximo roteiro (a Roma Barroca)

1) Museus do Vaticano.

Vamos lá: inicie teu dia no Vaticano, na porta da igreja ou do museu. Para fugir da fila do museu, compre o ingresso antecipadamente (pode ser por aqui. Neste site, você poderá também comprar outras visitas).
Super dica: Se quiser aproveitar bem o museu vazio, agende para o 1° horário. Uma aluna fez isso. Foi a 1° a chegar e, ao entrar, saiu correndo em direção à Capela Sistina. Os guardas ainda não haviam chegado e ela conseguiu fazer algo proibido: deitar no chão para admirar o teto.

O tempo dentro do museu depende de teu interesse e paciência. Eu não consigo ficar mais que 4 hs dentro de um museu, porém, há muita coisa para se ver dentro dos Museus Vaticanos (mas todo mundo entra apenas para ver a Capela Sistina).

 Infelizmente não tenho um texto sobre o museu, mas posso aconselhar esses posts:

Horário de Abertura: segunda a sábado das 9h00 às 18h00;  Preço: 16 € (6€ o audioguia) . Gratuito em todos os últimos domingo do mês, na parte da manhã,  desde que não seja feriado.

Ingressos fura fila:

1)  Museu do Vaticano + Capela Sistina – Evite a Fila!
2) Museu do Vaticano & Capela Sistina + Áudio-Guia em Português!
3) Museu do Vaticano e Capela Sistina–VIP
4) Museu do Vaticano e Capela Sistina – Privado

2) Basílica de São Pedro

Clique para salvar este post no Pinterest

Após o museu, siga em direção à Praça São Pedro (Piazza San Pietro) e entre na Basilica de São Pedro. A fila é sempre imensa e se voce quiser “fura-fila”, compre aqui teu passe.

Lembre-se que você não poderá entrar de shorts, bermuda, saia curta ou regata. Eu estava com um vestido longo, bem comportado, mas com manga regata. Me proibiram a entrada. Como eu imaginava que isso poderia acontecer, coloquei uma camisetinha que eu tinha na mochila e entrei.

A visita para a igreja é gratuita e o tempo de visitação dependerá da quantidade de pessoas no interno e de seu interesse ali dentro. Mas eu diria que não ultrapassa 1h30, a não ser que você também suba até a cúpula ou decida conhecer a necrópole (neste caso, você precisa fazer agendamento prévio).

A Klécia do blog Fui Ser Viajante escreveu um post muito interessante sobre a Basilica e o que ver dentro dela.

  • Como subir a cúpula de São Pedro?

A Klécia também escreveu um texto contanto como é a visita à Cúpula. Leia aqui: O Vaticano do alto: subindo na Cúpula da Basílica de São Pedro.

  • Como fazer a reserva para a Necrópole de São Pedro?

Entre neste site. Aqui encontram-se as informações para reservar a visita ao Túmulo de São Pedro e a Necrópole Vaticana. A reserva pode ser feita por fax (+39 06 69873017) ou e-mail ([email protected]).
O pedido está em italiano, mas basicamente você deve mandar uma carta indicando: Nome e quantidade de participantes; inserir em qual língua você gostaria que fosse a visita (não há indicação de quais idiomas são possíveis) e o período que você estará em Roma para o pessoal administrativo verificar se há vagas. Após isso, insira a forma de contato, isto é, como você gostaria de receber a resposta.

Ingresso:
Fura fila na Basilica de São Pedro com Tour Guiado.
Fura fila na Basilica de São Pedro.

3) A praça de São Pedro

A Praça São Pedro, uma das melhores criações de Bernini, se situa em frente à Basílica de São Pedro. Foi desenhada no século XVII em estilo clássico com adições do barroco. O estilo clássico pode ser apreciado na colunata dórica, que enquadra a entrada trapezoidal para a Basílica e a grande área oval que a precede.

O obelisco central tem 40 metros de altura, incluindo a base e a cruz no topo. Data do século I d.C. e foi trazido para Roma no reinado do imperador Calígula. Bernini complementou a colocação do obelisco com uma fonte em 1675.
Ele desenhou a praça imaginando dois espaços abertos em conjunto. O primeiro, a Piazza Obliqua, tem forma de uma elipse rodeada por colunatas (quatro enormes fileiras de altas colunas dóricas) que se abrem como num grande abraço maternal e simbolizam a Igreja Mãe.
O pavimento tem pedras brancas que marcam caminho até o obelisco central, montado sobre quatro leões de bronze. Tradicionalmente, este obelisco representa o elo entre a antiguidade e a cristandade, pois dizem que as cinzas de César descansam em sua base e uma relíquia da Santa Cruz está escondida no topo.
O segundo espaço, a Piazza Retta, imediatamente a seguir e bem frontal à basílica de São Pedro, é um espaço trapezoidal que aumenta ao “encostar” na praça, diminuindo assim numa ilusão de ótica a amplidão da fachada.
Ilusão de Ótica: Entre o obelisco e a fonte da direita, se encontra no chão uma indicação escrita: CENTRO DO COLONATO. Pisando sobre ela, em um jogo de perspectiva, ao olhar as quatro fileiras de coluna dórica, teremos a sensação de ver apenas uma.

4) Castel Sant’Angelo: 

Após sair da Piazza San Pietro, pegando a Via della Conciliazione, daremos de cara com a Ponte degli Angeli e com o Castel Sant’Angelo, também conhecido como Mausoleo di Adriano.

Sua primitiva estrutura foi iniciada em 139, pelo imperador Adriano como um mausoléu pessoal e familiar (Tumbas de Adriano). O monumento era adornado por uma quadriga em bronze, conduzida por Adriano.

A sua atual designação remonta a 590, durante uma grande epidemia de peste que assolou Roma. Na ocasião, o Papa Gregório I afirmou ter visto o Arcanjo São Miguel sobre o topo do castelo, que embainhava a sua espada, indicando o fim da epidemia. Para celebrar essa aparição, uma estátua de um anjo coroa o edifício.

Durante a época medieval esta foi a mais importante das fortalezas pertencentes aos Papas. Serviu também como prisão para muitos patriotas, na época dos movimentos de unificação da Itália ocorridos no século XIX. De seu terraço superior, tem-se uma magnífica vista do rio Tibre, dos prédios da cidade e até mesmo do domo superior da Basílica de São Pedro.

No verão existe um evento chamado “Notti d’Estate a Castel Sant’Angelo“, que abre as portas do castelo para uma agradável noite com eventos musicais, além da abertura de salas e passarelas que não são abertas diariamente.

Horário de Abertura: terça à domingo das 9h00 às 19h30; Preço: € 10 + 1€ de reserva. Primeiro domingo do mês é grátis! 
Mais detalhes no site  

5) A ponte dos Anjos

O que fazer em Roma?Após visitar o Castelo, aconselho pegar a Ponte dos Anjos (Ponte degli Angeli) também chamada de Ponte Sant’Angelo.
Para mim, a ponte mais linda de Roma!

Ela foi construída entre 134 e 199 pelo imperador romano Adriano para ligar a margem esquerda do Tevere ao seu mausoléu. Quase 500 anos depois, a ponte começou a ser utilizada para que pedestres alcançassem a Basílica de São Pedro, o que originou o nome de “ponte de São Pedro” (pons Sancti Petri) usado até o século VII.

O Papa Gregório I alterou o nome da ponte para “Sant’Angelo”, devido à lenda de um anjo ter aparecido no topo do Castelo. Em 1535, o Papa Clemente VII cobrou pedágio e a soma arrecadada serviu para a construção das estátuas de São Pedro e São Paulo. Tempos depois, foram adicionadas estátuas dos quatro evangelistas e dos patriarcas (Adão, Noé, Abraão e Moisés). Em 1669, o Papa Clemente IX encomendou a Gian Lorenzo Bernini novas esculturas de anjos, representando a Paixão de Cristo.

6) Palazzo della Giustizia (ou Palazzaccio)

Eu aconselho prosseguir o caminho do outro lado do rio, para poder apreciar o Palazzo della Giustizia (Corte Suprema di Cassazione) de lá.

O palácio, inspirado na arquitetura tardo-renascentista e barroca, realizado nos anos de 1888-1910 pelo arquiteto perugino Guglielmo Calderini, é uma das maiores obras realizada depois da proclamação de Roma capital.

No seu topo, foi colocada uma quadriga de bronze, obra do escultor palermitano Ettore Ximenes. E qualquer semelhança com o Palácio da Justiça de SP não é mera coincidência. Ramos de Azevedo se inspirou neste prédio para projetar o palácio ao lado da catedral da Sé!

7)  Piazza Cavour

[media-credit name=”fotografo: Benvegnù – Guaitoli” align=”alignleft” width=”320″][/media-credit]

Eu não estive nesta praça, mas parece ser bem bonita. Ela se situa na entrada do Palácio da Justiça, atrás da imagem acima.

No centro da praça há um imenso monumento em bronze dedicado ao piemontese Conde di Cavour, realizado por Nicodemo Severi.
Abaixo do pedestal onde se encontra o estadista, há alegorias da Itália e de Roma feitas por Stefano Galletti.

8) Mausoléu de Augusto (Museo dell’Ara Pacis) 

É um altar dedicado por César Augusto à deusa Pax (Paz) que pretende simbolizar o período de paz e prosperidade vivido durante o período da Pax Romana.

Este monumento, obra-prima da arquitetura romana, representa um dos mais significativos testemunhos da arte da época de Augusto. O altar foi perdido durante anos e somente no século XVI foi reencontrado, porém, vários fragmentos acabaram sendo dispersos entre museus da Europa.

Sua recuperação teria de esperar até 1938, quando Mussolini o reinaugurou. A reconstituição se deu próximo ao Mausoléu de Augusto e dentro de um pavilhão destinado a protegê-lo.

Horário de Abertura: terça a domingo das 9h00 às 19h00;  Preço: 10,50 € sem mostra. Se houver alguma mostra, o valor aumenta. Verificar no site: http://www.arapacis.it/

9)  Piazza del Popolo (pronuncia-se pòpolo – rs)

Uma das praças mais bonitas e imperdíveis de Roma, pelo menos para mim. Ela é composta de um obelisco antigo que, centralizado entre duas igrejas, ditas gêmeas, parece formar um espelho simétrico.

Essas duas igrejas, a Santa Maria in Montesanto (1675) e Santa Maria dei Miracoli (1678), foram construídas segundo o desejo do Papa Alexandre VII, renovando profundamente o aspecto da praça e constituindo os dois pólos do Tridente, formado pela Via del Corso, Via dela Babuino e Via Ripetta (no Gmaps, com visão aérea, é possível ver).
Os dois edifícios foram iniciados por Carlo Rainaldi e completados por Bernini, com a colaboração de Carlo Fontana.
Roma barroca e Vaticano
O grande obelisco, ao centro da praça, é o obelisco Flaminio com seus 24 metros, construído no templo dos faraós Ramsés II e Mineptah (1232-1220 a.C.), levado para Roma por Augusto.
Do lado esquerdo de quem entra na praça pela Porta del popolo, há uma fonte (Fontana della Dea di Roma) com uma escadaria que nos leva ao Pincio.
Do lado oposto à essas igrejas,  e ao lado da Porta del popolo, há a bela (e imperdível) igreja Santa Maria del Popolo!
  • Igreja Santa Maria del Popolo

Chiesa Sana Maria del Popolo

Essa igreja foi construída em 1099 no local onde Nero foi sepultado, mas foi Bernini que, séculos mais tarde, assumiria a sua restauração, dando-lhe a aparência barroca que ainda permanece.
Aliás, um parêntese aqui, difícil falar de Roma e não falar (e amar) Bernini!
😉
Por fora, parece uma simples igreja, que pode facilmente ser confundida com uma casa. Confesso que demorei para encontrá-la. Não por estar escondida, mas por estar de lado, e não de frente, para a praça.

Ao entrar, do lado direito, a primeira capela já mostra a sua imponência, com afrescos de Pinturicchio (la Natività con san Girolamo dell’altare); Como estava ansiosa para achar a Capela Chigi, com esculturas de Bernini e afrescos de Rafaello, não dei muita atenção para as capelas do lado direito. Tudo porque, a grande movimentação do lado esquerdo dedou onde estaria o que eu (e todos os turistas) queriam ver.

Antes de ir para onde todos estavam, vi algumas pessoas admirando as obras de uma capela ao lado do altar, a capela Cerasi.
Todos olhavam e fotografavam as 2 obras da lateral da capela.
Antes de olhar as placas, comecei a admirar. Não tenho como descrever a minha sensação ao vê-las. Diria que foi paixão a primeira vista! rs

Fui olhar a plaquinha e descubro que era 2 obras primas de Caravaggio: “Conversione di San Paolo” e “Crocifissione di San Pietro“; um artista que apenas havia ouvido falar e que daquele momento comecei a amar!

Capela Chigi

No final, quase saindo da igreja, fui apreciar a capela mais visitada, Capela Chigi, com obras de Rafael Sanzio e Bernini. Sobre esta capela, que é lindíssima, não tenho muito o que dizer. Infelizmente estava em restauro e fechada com um plástico branco. Era possível ver apenas uma parte do triângulo de mármore em uma das laterais.

Horário de abertura: Muita atenção com o horário desta igreja. A primeira vez que tentei entrar, estava fechada e na terceira vez tive que aguardar a sua abertura.

Finais de semana e feriados das 8h00 às 13h30 e das 16h30 às 19h15; Segunda à sexta das 7h00 às 12h00 e das 16h00 às 19h00.

 

 

10) Pincio

Como disse acima, do lado esquerdo da Porta del popolo, ao lado da Fontana della Dea di Roma, hà uma escadaria que nos leva ao “Piazzale Napoleone I” que permite ao visitante admirar uma incrível vista de Roma e Vaticano é comumente chamado de Pincio.

No entanto, Pincio, é o nome de uma das colinas existentes em Roma, formada por diversos jardins, entre eles, o maior e mais famoso, Borghese.
Aconselho vivamente a subida até o Piazzale Napoleone.  A vista é imperdível! Principalmente para ver o pôr do sol!!!!

 

  • Outros posts por Roma:

About Juliana (www.turistando.in)

Sou a mãe do Léo quase full-time, professora de italiano (por algumas horinhas), esposa de um doutorando (que me deixa maluca) e, claro, a faz-tudo do Turistando.in!

11 thoughts on “Roteiro 1: A parte norte de Roma + Vaticano

  1. O post que eu precisava! Estou montando o roteiro da minha viagem e abril, e o seu post ta super completo. Vou passar menos tempo, mas ficou tudo tao claro que até me sinto mais segura em fazer aquela triste escolha do que ver e do que deixar pra uma segunda vez! Obrigada 🙂

    1. Que delìcia, Klecia!
      Vc ficarà quanto tempo em Roma? Onde mais você vai?
      Esse roteiro eu montei para alunos que queriam ver muito em pouco tempo.
      Roma é grande e tem muita coisa para se ver. Se você não se programar, acaba deixando um monte de coisa de fora!
      Se precisar, conte comigo!
      😉

  2. É uma excelente estratégia visitar a cidade por “secções” e acho que a Galeria Borghese merece realmente uma visita. Tenho saudades de Roma. É daquelas cidades onde descobrimos sempre algo novo, a cada visita.
    Abraço desde Portugal
    Ruthia

    P.S. A minha praça favorita é a Navona.

  3. oi Juliana… Estive em Roma apenas por uma tarde, depois de 15 dias em Florença, e tomei um choque com a cidade. Uma multidão ocupava as ruas. Chegando em Roma, completamente apaixonada por Firenze, antipatizei com a Cidade Eterna. 🙁

    Como só tínhamos uma tarde, resolvemos caminhar pela cidade e começamos o percurso justamente pelo Vaticano, passando por alguns lugares que você citou nesse excelente roteiro, e terminando, já com tudo escuro, no Coliseu. Não entramos em nenhum lugar e andamos por mais ou menos 7 horas sem parar.

    Além de Berlim, seus textos me dizem que devo ir à Roma, dar uma nova chance! 🙂 bjuus

    1. Um dia preciso escrever um texto narrando o meu sentimento sobre Roma! E neste texto, você iria se identificar perfeitamente!
      Sabe quando eu passei a amar Roma? Quando retornei a SP.
      Morei 6 meses na Itália e antes de visitar Roma, estive em cidades “organizadas”, limpas e menos caóticas.
      Estive 3x em Roma e eu detestei as 3 vezes. Claro, amei cada museu e cada igreja que estive, mas detestei a cidade.
      Cheguei em SP. Cade aquelas igrejas pequenas, simples e maravilhosas? Cade Bernini? Cade esculturas de cair o queixo? Cade o Colosseo? Não achei!
      O que achei foi uma cidade suja, como Roma, caótica, como Roma e quente, como Roma!
      Dai passei a amar Roma!

      1. Então, agora, por ter despertado a minha curiosidade, você tem que escrever um texto contando, detalhando sobre essa sua relação com Roma… Quero saber! 🙂 Quem sabe assim eu me inspire e acredite com mais convicção que possa um dia vir a amar a Cidade Eterna, além dos seus monumentos que obviamente nos deixa enamorados! 🙂

        De antemão já digo que amei saber que você deu três chances à cidade antes que ela conseguisse penetrar em sua alma. Mesmo São Paulo tendo um bocado de responsabilidade sobre isso. No aguardo do texto! Acho que ele será ótimo! 🙂 bjus

  4. Que excelente roteiro! Eu estive em Roma alguns anos atrás e fiz mais ou menos esse roteiro também, acho que Roma foi um dos lugares onde eu mais andei rsrs mas vale muito a pena porquê a cidade é linda!

  5. Ótimo post ! Roma é linda ! Amei visitar o Vaticano, que lugar incrível ! Mas fiquei apenas 2,5 dias, foi muito corrido, tenho que voltar para explorar com mais calma.

Gostou? Tem dúvidas? Nos deixe uma mensagem: