Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)

A Roma Barroca pantheon
89fbfc7e72746827e02dd5cfda247257 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Clique para salvar o post no Pinnterest

Em meu 1° texto sobre a capital italiana, dei uma sugestão de roteiro para uma parte “norte” de Roma, junto ao Vaticano. Neste post escreverei sobre a parte que chamo de Roma Barroca. Esses textos foram atualizados em 2017.

No mapa abaixo, o roteiro norte corresponde ao trecho de cor azul. O da Roma Barroca corresponde ao “centrinho” da parte turística de Roma e no mapa abaixo correspondem aos trechos vermelhos e verdes.

Como a parte que chamo de Roma Barroca tem muita coisa para ver, escrevi um outro texto:  A Roma barroca católica-artística, mas o essencial esta nesta parte.

Este roteiro também pode ser unido aos outros roteiros (o do Vaticano e da Roma Antiga), caso você faça tudo muito rápido.

mapa roma barroca Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
cliquem para aumentar

2° Roteiro: Conhecendo a Roma Barroca

Vou começar este roteiro em frente à Roma Termini! Assim, fica fácil segui-lo a partir de qualquer ponto que haja metrô na cidade (lembrando-se que no centrinho de Roma não há metrô).

mapa roma barroca3 600x347 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Clique para ampliar
  •  Praça da República (Piazza della Repubblica) e do outro lado as ruínas da antiga Termas de Diocleziano.

A praça é bem interessante de se ver a noite. No centro há uma fonte, a Fontana delle Naiadi, que representam a Ninfa dos lagos (com um cisne), Ninfa dos Rios (deitada com um monstro), Ninfa dos Oceanos (em um cavalo) e a Ninfa das águas Subterrâneas (com um dragão). Ao centro, se encontra o Grupo de Glauco, que simboliza o domínio do homem sobre as forças naturais. Ao fundo há um conjunto de prédios, embelezados com um pórtico semicircular.

Do outro lado, estão as antigas termas de Diocleziano e junto a ela, a Basilica di Santa Maria degli Angeli e dei Martiri, uma igreja em cruz grega, restaurada por Michelangelo (foto abaixo). A parte interna é imensa e recheada de pinturas, afrescos e esculturas.

Horário de abertura: Todos os dias das 7h30 às 19h30.

praça republica roma Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
A Praça da República com a Basílica ao fundo!
  • Igreja de Santa Maria da Vitória

Santa Maria della Vittoria Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Me lembro como foi difícil achar esta igreja (em italiano: Chiesa di Santa Maria della Vittoria).
Não sabia direito o seu nome (apenas que tinha uma linda escultura do Bernini) e ninguém soube me dar informações.
Naquela época (2008) a internet em celular não era avançada e ela não constava em meu mapa. Além da volta, peguei ladeiras. Este é o modo mais fácil de chegar até ela. Mas o que tem de bom?

Tem Bernini!
😉

Roma Santa Maria della Vittoria Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)Na capela ao lado do altar se encontra o grupo de escultura que Bernini fez para o cardinal veneziano Federico Cornèr (Cornaro), chamada Estasi di santa Teresa d’Avila.

Sim, aquela que o Dan Brown disse que estava tendo um orgasmo. Na verdade, ela representa a experiência mística de Santa Teresa de Ávila trespassada por uma seta de amor divino por um anjo.

A capela é constituída de um altar convexo e, ao fundo, abre espaço para uma iluminação que desce da janela no teto, assim, as esculturas em mármore são iluminadas com uma luz que “chove” do alto, como se fossem raios metálicos dourados. E ao lado da santa, alguns personagens da família Cornaro assistem a cena da “plateia”. Todo o conjunto é decorado com ouro, afrescos e mármore.

Horário de abertura: Todos os dias das 7h às 12h e das 15h30 às 19h.

  • A igreja de São Carlino (ou igreja de São Carlos nas 4 fontes)

SCarloQuattroFontaneRome 262x300 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)Achei essa igreja sem querer, enquanto procurava a anterior. Me maravilhei pelas 4 pequenas fontes que estavam em cada esquina do cruzamento, uma delas ao lado da igreja, e me entristeci pela falta de cuidado com elas na época (mas hoje, olhando pelo Street view, vi que elas foram restauradas ;)) .

Por causa das fontes, fui observar a igreja. E achei sua fachada muito curiosa. Ela foi pelo arquiteto suíço Francesco Borromini (ex amigo de Bernini – rs) e dedicada ao arcebispo Carlo Borromeo.

Na fachada, Borromini a divide em duas ordens: uma superior e outra inferior. A parte inferior é caracterizada por ter uma superfície côncava – convexa – côncava; enquanto a superior apresenta 3 partes côncavas, sendo que a parte central hospeda uma edícula convexa. É bem curiosa. Por dentro é muito pequena. Por isso o apelido “São Carlinho“!

Ah, a fonte que se encontra na parede da igreja representa o rio Tevere.

Horário de abertura: Segunda à sexta das 10h00 às 13h00 e das 15h00 às 18h00. Sábado das 10h às 13h e domingo das 12h às 13h.

  • Palazzo e Piazza Barberini

Descendo a rua das 4 fontes (Via dele Quattro Fontane), você passará pelo Palazzo Barberini, que hospeda as “Gallerie Nazionali di Arte Antica di Roma” (7€ – confirme preço aqui).

piazza barberini Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Ao fundo, o famoso hotel Bernini.

Nesta galeria encontramos quadros de grandes artistas entre eles Bernini, Caravaggio, El Greco, Canaletto, Rafaello, Tiziano e Tintoretto (veja aqui).

No final desta rua, você verá a Piazza Barberini, que exibe duas fontes de Bernini, a Fontana dei Tritone; uma de suas primeiras fontes e a não tão exuberante, Fontana delle Ape.

A 1° escultura mostra Tritão, mítico personagem da mitologia grega, filho de Netuno, cujo tronco era de um homem e as pernas eram a cauda de um peixe, bebendo água de uma concha, sendo apoiado por quatro grandes golfinhos (símbolo da família Barberini) de duras feições.

  • Cripta dos Capuchinhos (Museo e Cripta dei Frati Cappuccini)

Contornando a praça Barberini, entre na rua Vittorio Veneto. Na parte inferior da igreja Santa Maria della Concezione dei Cappuccini vocês encontrarão a cripta dos capuchinhos (cripta dei cappuccini), com capelas bem pitorescas e um pouco macabra.

A cripta subterrânea é dividida em seis capelas (1. Cripta della resurrezione; 2. Cappella per la messa; 3. Cripta dei teschi; 4. Cripta dei bacini; 5.cripta delle tibie e dei femori; 6. Cripta dei tre scheletri) e os ossos de mais de 4 000 frades sepultados entre 1500 e 1870 estão dispostos de forma elaborada, transformando o espaço em uma macabra obra de arte. Alguns esqueletos estão intactos e ainda vestidos em hábitos franciscanos.
Na última capela, uma frase curiosa no chão: «Quello che voi siete noi eravamo; quello che noi siamo voi sarete» (Aquilo que vocês são hoje, nós já fomos; o que nós somos hoje, vocês serão).

A escolha de decorar a cripta com ossos pode parecer macabra, porém era um modo de exorcizar a morte e sublinhar que o corpo é apenas um “contêiner” para a alma e que, quando esta deixa de usar seu contêiner, pode ser utilizado de outro modo.
As criptas são bem montadas e não provocam medo ou assombrações.

Horário de abertura: Todos os dias, exceto às quintas das 9h00 às 12h00 e das 15h00 às 18h00. Grátis, mas pede-se doações.
Endereço: Via Vittorio Veneto, 27

Deste ponto, você pode ir até a famosa Fontana de Trevi, mas para meu roteiro ficar “redondinho”, pegarei a rua Sistina até a igreja Trinità dei Monti.

  • Piazza di Spagna com Escadaria e igreja Trinità dei Monti

Piazza di Spagna Roma   scalinata Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Piazza di Spagna com Escadaria e igreja Trinità dei Monti

Ponto de encontro diurno e noturno de romanos e turistas, a praça tem uma escadaria com 135 degraus (chamada de Spanish Steps em inglês, mas seu nome original é Scalinata Trinità dei Monti), que na primavera e em alguns dias do verão é enfeitada por flores brancas e rosa.
Ela é dividida em três seções, seguida por outras escadas laterais e levam até a igreja de Trinità dei Monti.

Na base da escadaria está a Praça Espanha. A fonte no centro da praça, na forma de um barco, é afetuosamente chamada pelos romanos de La Barcaccia, ou velha banheira.
É atribuída a Pietro Bernini. Segundo dizem, esta foi inspirada pela chegada à praça de um barco durante a inundação do rio Tibre em 1598.
A anedota serviu para que o Papa Urbano VIII encarregasse a Pietro Bernini a execução da obra, ajudado por seu filho, que mais tarde lhe superaria em fama e técnica, Gian Lorenzo.

Logo em frente à Piazza Spagna está a famosa Via dei Condotti, com suas lojas e cafés de luxo. Pegue um trechinho dela, mas desça sentido a Fontana di Trevi para continuar nosso roteiro.

  • Fontana di Trevi

Fontana di Trevi Italy Roma   Creative Commons by gnuckx 400x300 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)Queridinha dos turistas, essa é a maior e mais ambiciosa construção de fonte barroca da Itália com quase 26 metros de altura e 20 metros de largura.

Fellini a imortalizou após filmar a famosa cena do “La Dolce Vita” dentro de suas águas e um ano depois, o maravilhoso Totò nos diverte com seu belíssimo e divertido “TotòTruffa 62” (o trecho hilário se encontra no You Tube com o nome de Tototrufa Fontana di Trevi).

A cara barroca desta fonte foi uma contribuição de Bernini, mas não foi ele quem terminou o projeto, apesar de existir muitos detalhes de sua ideia original.

Tradição: Diz a lenda que, se você ficar de costas para a fonte e jogar uma moedinha, você retornará a Roma. Se é verdade, não sei, mas não custa nada, não é? Eu joguei e voltei mais duas vezes e tenho planos para uma outra visita na cidade eterna!

Vamos agora para o Panteão, mas antes disso, dê uma voltinha e passe em frente ao Palazzo Chigi e o Palazzo Montecitorio e siga em direção à igreja de Santo Inácio de Loyola.

  • Igreja de Santo Inácio de Loyola

chiesa di santo ignazio 200x300 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)Essa igreja (Chiesa di Santo Ignazio) vale a pena dar uma passadinha rápida. Não contém nenhuma obra de arte de algum artista famoso, mas ela é muito curiosa e bonita.
Construída em estilo barroco para homenagear o jesuíta, com imponentes pilastras coríntias que estruturam todo o interior.

O que me fez indicá-la em minha rota turística pela Roma barroca é o grandioso afresco feito por um irmão jesuíta, Andrea Pozzo, que se estende por todo o teto da nave (Gloria di Santo Ignazio), e principalmente o seu melhor trabalho feito na cúpula.

Meu conselho: Entrem na igreja e sigam devagar sentido o altar maior, parando a cada 10 passos e sempre olhando o teto e a cúpula. Depois parem exatamente em baixo da cúpula e a admirem!
Surpresos?????

Horário de abertura: Todos os dias das 7h30 às 12h20 e das 15h00 às 19h20.

  • Basilica di Santa Maria sopra Minerva

Santa Maria Sopra Minerva Rome 416x300 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)Entre a igreja de Loyola e o Pantheon, está a Basilica di Santa Maria sopra Minerva, a única igreja gótica de Roma;
Ela foi construída sobre o templo de Isis pensando que fosse de Minerva (sopra em italiano significa “em cima de”).

A fachada de 1453 é da primeira parte do Renascimento. Seu interno ricamente decorado hospeda a tumba da Santa Caterina de Siena e do pintor italiano Beato Angelico. A capela mais famosa é a Carafa, no final do transepto direito, devido aos afrescos de Filippino Lippi.

Mas seu maior tesouro é a grande estátua do Cristo Ressuscitado de Michelangelo.

Horário de abertura: Todos os dias das 8h00 às 19h.

  • Pantheon

pantheon roma 350x236 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)Todo mundo que vai para Roma, passa pelo Panteon (ou redonda, por causa de seu formato), um prédio da época romana, construído em 27 a.C. e que se encontra em perfeito estado de conservação (único).
No entanto, muitos se questionam se aquele prédio é uma igreja.

Bom, ele foi construído como templo dedicado a todos os deuses romanos (daí o seu nome) e, no século VII a igreja católica salvou-o do vandalismo e destruição que as antigas construções da Roma antiga sofreram durante o início do período medieval, mantendo-a assim como uma igreja.

O interior em mármore e as grandes portas de bronze resistiram ao passar do tempo, ainda que estas últimas tenham sido restauradas mais de uma vez.

Me parece que existem cultos ainda nos dias de hoje, mas hoje todo mundo o vê como um mausóleo de italianos importantes como Annibale Carracci, Baldassare Peruzzi, Umberto I, Margarida de Sabóia – rainha de Itália, o pintor Rafael Sanzio e Vittorio Emanuele II – 1° rei da Itália.

No centro foi construído uma imensa cúpula, estudada por muitos arquitetos (inclusive Bruneleschi, arquiteto da cúpula no Domo de Firenze) com um óculo central.

Para prestar atenção: Diante de toda a grandeza deste antigo templo romano, o que mais chama atenção do turista é exatamente o óculo no centro do domo.
Dependendo do horário, a iluminação dentro muda (a foto com a claridade entrando, tirei no dia 19 de julho às 15h20;). Há também uma plaquinha indicando o que ocorre quando chove. Nunca estive ali em dia de chuva, mas deve ser interessante!
😉

Horário de abertura: Segunda à sábado das 8h30 às 19h30 e domingos das 9h00 às 18h. Feriados das 9 às 13hs.

  • Igreja San Luigi dei Francesi

Saindo do Pantheon de Roma, vamos em direção à Piazza Navona. Mas antes, que tal dar uma paradinha em uma igreja e apreciar 3 Caravaggios!

Sim, três!!!!!!!

roma antiga 1 530x350 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Triade de Caravaggio

Conheci esta igreja em minha última visita a Roma. Não sabia de sua existência até um colega italiano me levar até ela e conhecê-la foi uma grande surpresa para mim.

Esta igreja, do ponto de vista artístico, exalta a França através da representação de santos e de personagens históricos como estátua de Carlos Magno, São Luís, Santa Clotilde e Santa Joana de Valois.

Porém, o que chama turistas nesta igreja renascentista e que me surpreendeu é a capela Contarelli, que abriga 3 obras primas de Caravaggio, a famosa tríade caravagesca com: Martirio di San Matteo, San Matteo e l’angelo e Vocazione di San Matteo. Três belíssimos quadros!

Horário de abertura: Todos os dias das 10h às 12h30 e das 15h00 às 19h, exceto quinta feira (fechado);

  • Piazza Navona

Piazza Navona 383x265 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
[/media-credit] A Fontana dei 4 fiumi

É uma das mais célebres praças de Roma. A sua forma assemelha-se à dos antigos estádios da Roma Antiga, seguindo a planificação do Estádio de Domiciano. A origem do nome da praça deriva-se do nome do estádio: “Circo Agonístico” (do étimo grego Agonia, que significa precisamente – exercício, luta, combate). Atualmente, o nome corresponde à corruptela da forma posterior in agone, depois nagone e finalmente navone.

Sofreu intervenções de Bernini, com sua famosa Fontana dei Quattro Fiumi; Borromini com a igreja de Sant’Agnese in Agone; e de Pietro de Cortona, que pintou a galeria no Palácio Pamphilj, sede da embaixada do Brasil na Itália desde 1920.

A praça dispõe ainda duas outras fontes esculpidas por Giacomo della Porta: a Fontana di Nettuno (1574), na área norte da praça, e a Fontana del Moro (1576), na área sul.

FONTANA DEI QUATTRO FIUME:

Uma das mais belas fontes de Roma é, claro, do artista barroco italiano Bernini.
No centro, há um obelisco egípcio apoiado em uma base “oca”. As estátuas gigantes em mármore branco representam alegorias nuas dos quatros principais continentes do mundo (conhecidos até então) cortados por seus principais rios: Rio Nilo, na África; Rio Ganges, na Ásia, Rio da Prata, na América e o Rio Danúbio, na Europa.

Piazza Navona Rome Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Photo by Dalbera from Wikipedia
  • Piazza Campo de’ Fiori e o Palazzo Farnese

roma Campo de’ Fiori 398x265 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
By Benjamin Dahlhoff, Wikipedia

É o campo aberto onde ocorre o tradicional mercato di Roma, com especiarias e produtos frescos. Curiosamente é a única praça sem igreja na cidade!
No meio da praça há uma estátua, erigida em 1881, em homenagem ao filósofo Giordano Bruno, queimado vivo naquele local pela igreja católica na condição de herege, por ter afirmado, assim como Galileu Galilei, que a Terra é que girava em torno do Sol (e não o contrário, como apoiado pela igreja).
Conselho: Uma passadinha aqui para comprar (ou provar gratuitamente) uns queijinhos para comer no meio do caminho não fará nem um pouco mal a vocês!

Na sequencia, que tal passar em frente ao Palazzo Farnese, um dos palácios mais suntuosos da Roma renascentista, residência da família Farnese e atualmente acolhe a Embaixada da França na Itália. Desenhado inicialmente por Antonio da Sangallo, um dos assistentes de Bramante, foi redesenhado por Michelangelo e completado por Giacomo della Porta.

  • Scavi romani no Largo de Teatro Argentina

Roma Largo di Torre Argentina 353x265 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Foto Wikipedia

É uma praça em nível abaixo da rua onde constam alguns templos da época da República Romana e as ruínas do Teatro de Pompeu.
O nome da praça não tem a ver com o país sul americano, mas com uma cidade de Strasburgo. Após a unificação italiana, foi deliberada a reconstrução parcial de Roma (1909) que passaria pela demolição da zona da Torre Argentina, onde constam os restos de uma torre medieval, a Torre Papito ou Torre Boccamazzi.

No entanto, durante os trabalhos (1927), foram descobertas uma cabeça e braços em mármore de grandes proporções, cuja investigação traria algum esclarecimento em relação a esta zona, como uma zona sacra datada da era republicana. Os templos fazem frente a uma estrada pavimentada, datada da era imperial, após o incêndio de 80 d.C. Após o incêndio de 80, o templo foi restaurado e os mosaicos brancos e pretos da câmara interior datam dessa restauração.

  • Piazza Venezia e o Vittoriano

Entre a Piazza Venezia e o Monte Campidoglio, o também conhecido Altare della Patria é um monumento em honra a Vittorio Emanuele II, primeiro rei da Itália unificada e “pai” da pátria italiana.
Feito de puro mármore branco de Botticino, apresenta uma majestosa escadaria, colunas coríntias, fontes, uma enorme estátua equestre de Vittorio Emanuele II e duas estátuas da deusa Vitória em quadrigas.
A estrutura tem 135 m de largura e 70 m de altura; Apesar de bonito e imponente, o monumento é controverso desde sua construção, pois significou destruir uma grande área do Campidoglio, a qual guardava vestígios medievais no local. O prédio é muito branco, contrastando no meio dos edifícios marrons que o rodeiam. Apesar de todo esse criticismo, o monumento ainda atrai um grande número de visitantes.

Altar della Patria Vittorino Roma 600x347 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)
Foto Wikipedia

 

  • Outros posts por Roma:

pinit fg en rect red 28 Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)


Planeje a tua viagem conosco

Clicando nas imagens abaixo, você encontra preços especiais e ainda ajuda o blog sem gastar nada!

About Juliana (www.turistando.in)

Sou a mãe do Léo quase full-time, professora de italiano (por algumas horinhas), esposa de um doutorando (que me deixa maluca) e, claro, a faz-tudo do Turistando.in!

Deixe aqui teu comentário ou tua dúvida:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Subscribe  
Notify of
angiesantanna

gente que roteiro super detalhado!! fiquei abismada com a quantidade de informacao! vou tentar fazer esse roteiro agora, o unico problema eh o calor insuportavel meodeos espero sobreviver ahuahe