Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)

A Roma Barroca pantheon
Gostou? Compartilhe este texto:
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •  

Clique para salvar o post no Pinnterest

Em meu 1° texto sobre a capital italiana, dei uma sugestão de roteiro para uma parte “norte” de Roma, junto ao Vaticano. Neste post escreverei sobre a parte que chamo de Roma Barroca. Esses textos foram atualizados em 2017.

No mapa abaixo, o roteiro norte corresponde ao trecho de cor azul. O da Roma Barroca corresponde ao “centrinho” da parte turística de Roma e no mapa abaixo correspondem aos trechos vermelhos e verdes.

Como a parte que chamo de Roma Barroca tem muita coisa para ver, escrevi um outro texto:  A Roma barroca católica-artística, mas o essencial esta nesta parte.

Este roteiro também pode ser unido aos outros roteiros (o do Vaticano e da Roma Antiga), caso você faça tudo muito rápido.

cliquem para aumentar

2° Roteiro: Conhecendo a Roma Barroca

Vou começar este roteiro em frente à Roma Termini! Assim, fica fácil segui-lo a partir de qualquer ponto que haja metrô na cidade (lembrando-se que no centrinho de Roma não há metrô).

Clique para ampliar
  •  Praça da República (Piazza della Repubblica) e do outro lado as ruínas da antiga Termas de Diocleziano.

A praça é bem interessante de se ver a noite. No centro há uma fonte, a Fontana delle Naiadi, que representam a Ninfa dos lagos (com um cisne), Ninfa dos Rios (deitada com um monstro), Ninfa dos Oceanos (em um cavalo) e a Ninfa das águas Subterrâneas (com um dragão). Ao centro, se encontra o Grupo de Glauco, que simboliza o domínio do homem sobre as forças naturais. Ao fundo há um conjunto de prédios, embelezados com um pórtico semicircular.

Do outro lado, estão as antigas termas de Diocleziano e junto a ela, a Basilica di Santa Maria degli Angeli e dei Martiri, uma igreja em cruz grega, restaurada por Michelangelo (foto abaixo). A parte interna é imensa e recheada de pinturas, afrescos e esculturas.

Horário de abertura: Todos os dias das 7h30 às 19h30.

A Praça da República com a Basílica ao fundo!
  • Igreja de Santa Maria da Vitória

Chiesa di Santa Maria della Vittoria na Roma Barroca
Me lembro como foi difícil achar esta igreja (em italiano: Chiesa di Santa Maria della Vittoria).
Não sabia direito o seu nome (apenas que tinha uma linda escultura do Bernini) e ninguém soube me dar informações.
Naquela época (2008) a internet em celular não era avançada e ela não constava em meu mapa. Além da volta, peguei ladeiras. Este é o modo mais fácil de chegar até ela. Mas o que tem de bom?

Tem Bernini!
😉

Na capela ao lado do altar se encontra o grupo de escultura que Bernini fez para o cardinal veneziano Federico Cornèr (Cornaro), chamada Estasi di santa Teresa d’Avila.

Sim, aquela que o Dan Brown disse que estava tendo um orgasmo. Na verdade, ela representa a experiência mística de Santa Teresa de Ávila trespassada por uma seta de amor divino por um anjo.

A capela é constituída de um altar convexo e, ao fundo, abre espaço para uma iluminação que desce da janela no teto, assim, as esculturas em mármore são iluminadas com uma luz que “chove” do alto, como se fossem raios metálicos dourados. E ao lado da santa, alguns personagens da família Cornaro assistem a cena da “plateia”. Todo o conjunto é decorado com ouro, afrescos e mármore.

Horário de abertura: Todos os dias das 7h às 12h e das 15h30 às 19h.

  • A igreja de São Carlino (ou igreja de São Carlos nas 4 fontes)

Chiesa di San Carlo alle Quattro Fontane (ou chiesa di San Carlino) na Roma BarrocaAchei essa igreja sem querer, enquanto procurava a anterior. Me maravilhei pelas 4 pequenas fontes que estavam em cada esquina do cruzamento, uma delas ao lado da igreja, e me entristeci pela falta de cuidado com elas na época (mas hoje, olhando pelo Street view, vi que elas foram restauradas ;)) .

Por causa das fontes, fui observar a igreja. E achei sua fachada muito curiosa. Ela foi pelo arquiteto suíço Francesco Borromini (ex amigo de Bernini – rs) e dedicada ao arcebispo Carlo Borromeo.

Na fachada, Borromini a divide em duas ordens: uma superior e outra inferior. A parte inferior é caracterizada por ter uma superfície côncava – convexa – côncava; enquanto a superior apresenta 3 partes côncavas, sendo que a parte central hospeda uma edícula convexa. É bem curiosa. Por dentro é muito pequena. Por isso o apelido “São Carlinho“!

Ah, a fonte que se encontra na parede da igreja representa o rio Tevere.

Horário de abertura: Segunda à sexta das 10h00 às 13h00 e das 15h00 às 18h00. Sábado das 10h às 13h e domingo das 12h às 13h.

  • Palazzo e Piazza Barberini

Descendo a rua das 4 fontes (Via dele Quattro Fontane), você passará pelo Palazzo Barberini, que hospeda as “Gallerie Nazionali di Arte Antica di Roma” (7€ – confirme preço aqui).

Ao fundo, o famoso hotel Bernini.

Nesta galeria encontramos quadros de grandes artistas entre eles Bernini, Caravaggio, El Greco, Canaletto, Rafaello, Tiziano e Tintoretto (veja aqui).

No final desta rua, você verá a Piazza Barberini, que exibe duas fontes de Bernini, a Fontana dei Tritone; uma de suas primeiras fontes e a não tão exuberante, Fontana delle Ape.

A 1° escultura mostra Tritão, mítico personagem da mitologia grega, filho de Netuno, cujo tronco era de um homem e as pernas eram a cauda de um peixe, bebendo água de uma concha, sendo apoiado por quatro grandes golfinhos (símbolo da família Barberini) de duras feições.

  • Cripta dos Capuchinhos (Museo e Cripta dei Frati Cappuccini)

Contornando a praça Barberini, entre na rua Vittorio Veneto. Na parte inferior da igreja Santa Maria della Concezione dei Cappuccini vocês encontrarão a cripta dos capuchinhos (cripta dei cappuccini), com capelas bem pitorescas e um pouco macabra.

A cripta subterrânea é dividida em seis capelas (1. Cripta della resurrezione; 2. Cappella per la messa; 3. Cripta dei teschi; 4. Cripta dei bacini; 5.cripta delle tibie e dei femori; 6. Cripta dei tre scheletri) e os ossos de mais de 4 000 frades sepultados entre 1500 e 1870 estão dispostos de forma elaborada, transformando o espaço em uma macabra obra de arte. Alguns esqueletos estão intactos e ainda vestidos em hábitos franciscanos.
Na última capela, uma frase curiosa no chão: «Quello che voi siete noi eravamo; quello che noi siamo voi sarete» (Aquilo que vocês são hoje, nós já fomos; o que nós somos hoje, vocês serão).

A escolha de decorar a cripta com ossos pode parecer macabra, porém era um modo de exorcizar a morte e sublinhar que o corpo é apenas um “contêiner” para a alma e que, quando esta deixa de usar seu contêiner, pode ser utilizado de outro modo.
As criptas são bem montadas e não provocam medo ou assombrações.

Horário de abertura: Todos os dias, exceto às quintas das 9h00 às 12h00 e das 15h00 às 18h00. Grátis, mas pede-se doações.
Endereço: Via Vittorio Veneto, 27

Deste ponto, você pode ir até a famosa Fontana de Trevi, mas para meu roteiro ficar “redondinho”, pegarei a rua Sistina até a igreja Trinità dei Monti.

  • Piazza di Spagna com Escadaria e igreja Trinità dei Monti

Piazza di Spagna com Escadaria e igreja Trinità dei Monti

Ponto de encontro diurno e noturno de romanos e turistas, a praça tem uma escadaria com 135 degraus (chamada de Spanish Steps em inglês, mas seu nome original é Scalinata Trinità dei Monti), que na primavera e em alguns dias do verão é enfeitada por flores brancas e rosa.
Ela é dividida em três seções, seguida por outras escadas laterais e levam até a igreja de Trinità dei Monti.

Na base da escadaria está a Praça Espanha. A fonte no centro da praça, na forma de um barco, é afetuosamente chamada pelos romanos de La Barcaccia, ou velha banheira.
É atribuída a Pietro Bernini. Segundo dizem, esta foi inspirada pela chegada à praça de um barco durante a inundação do rio Tibre em 1598.
A anedota serviu para que o Papa Urbano VIII encarregasse a Pietro Bernini a execução da obra, ajudado por seu filho, que mais tarde lhe superaria em fama e técnica, Gian Lorenzo.

Logo em frente à Piazza Spagna está a famosa Via dei Condotti, com suas lojas e cafés de luxo. Pegue um trechinho dela, mas desça sentido a Fontana di Trevi para continuar nosso roteiro.

  • Fontana di Trevi

Queridinha dos turistas, essa é a maior e mais ambiciosa construção de fonte barroca da Itália com quase 26 metros de altura e 20 metros de largura.

Fellini a imortalizou após filmar a famosa cena do “La Dolce Vita” dentro de suas águas e um ano depois, o maravilhoso Totò nos diverte com seu belíssimo e divertido “TotòTruffa 62” (o trecho hilário se encontra no You Tube com o nome de Tototrufa Fontana di Trevi).

A cara barroca desta fonte foi uma contribuição de Bernini, mas não foi ele quem terminou o projeto, apesar de existir muitos detalhes de sua ideia original.

Tradição: Diz a lenda que, se você ficar de costas para a fonte e jogar uma moedinha, você retornará a Roma. Se é verdade, não sei, mas não custa nada, não é? Eu joguei e voltei mais duas vezes e tenho planos para uma outra visita na cidade eterna!

Vamos agora para o Panteão, mas antes disso, dê uma voltinha e passe em frente ao Palazzo Chigi e o Palazzo Montecitorio e siga em direção à igreja de Santo Inácio de Loyola.

  • Igreja de Santo Inácio de Loyola

Essa igreja (Chiesa di Santo Ignazio) vale a pena dar uma passadinha rápida. Não contém nenhuma obra de arte de algum artista famoso, mas ela é muito curiosa e bonita.
Construída em estilo barroco para homenagear o jesuíta, com imponentes pilastras coríntias que estruturam todo o interior.

O que me fez indicá-la em minha rota turística pela Roma barroca é o grandioso afresco feito por um irmão jesuíta, Andrea Pozzo, que se estende por todo o teto da nave (Gloria di Santo Ignazio), e principalmente o seu melhor trabalho feito na cúpula.

Meu conselho: Entrem na igreja e sigam devagar sentido o altar maior, parando a cada 10 passos e sempre olhando o teto e a cúpula. Depois parem exatamente em baixo da cúpula e a admirem!
Surpresos?????

Horário de abertura: Todos os dias das 7h30 às 12h20 e das 15h00 às 19h20.

  • Basilica di Santa Maria sopra Minerva

Entre a igreja de Loyola e o Pantheon, está a Basilica di Santa Maria sopra Minerva, a única igreja gótica de Roma;
Ela foi construída sobre o templo de Isis pensando que fosse de Minerva (sopra em italiano significa “em cima de”).

A fachada de 1453 é da primeira parte do Renascimento. Seu interno ricamente decorado hospeda a tumba da Santa Caterina de Siena e do pintor italiano Beato Angelico. A capela mais famosa é a Carafa, no final do transepto direito, devido aos afrescos de Filippino Lippi.

Mas seu maior tesouro é a grande estátua do Cristo Ressuscitado de Michelangelo.

Horário de abertura: Todos os dias das 8h00 às 19h.

  • Pantheon

Todo mundo que vai para Roma, passa pelo Panteon (ou redonda, por causa de seu formato), um prédio da época romana, construído em 27 a.C. e que se encontra em perfeito estado de conservação (único).
No entanto, muitos se questionam se aquele prédio é uma igreja.

Bom, ele foi construído como templo dedicado a todos os deuses romanos (daí o seu nome) e, no século VII a igreja católica salvou-o do vandalismo e destruição que as antigas construções da Roma antiga sofreram durante o início do período medieval, mantendo-a assim como uma igreja.

O interior em mármore e as grandes portas de bronze resistiram ao passar do tempo, ainda que estas últimas tenham sido restauradas mais de uma vez.

Me parece que existem cultos ainda nos dias de hoje, mas hoje todo mundo o vê como um mausóleo de italianos importantes como Annibale Carracci, Baldassare Peruzzi, Umberto I, Margarida de Sabóia – rainha de Itália, o pintor Rafael Sanzio e Vittorio Emanuele II – 1° rei da Itália.

No centro foi construído uma imensa cúpula, estudada por muitos arquitetos (inclusive Bruneleschi, arquiteto da cúpula no Domo de Firenze) com um óculo central.

Para prestar atenção: Diante de toda a grandeza deste antigo templo romano, o que mais chama atenção do turista é exatamente o óculo no centro do domo.
Dependendo do horário, a iluminação dentro muda (a foto com a claridade entrando, tirei no dia 19 de julho às 15h20;). Há também uma plaquinha indicando o que ocorre quando chove. Nunca estive ali em dia de chuva, mas deve ser interessante!
😉

Horário de abertura: Segunda à sábado das 8h30 às 19h30 e domingos das 9h00 às 18h. Feriados das 9 às 13hs.

  • Igreja San Luigi dei Francesi

Saindo do Pantheon de Roma, vamos em direção à Piazza Navona. Mas antes, que tal dar uma paradinha em uma igreja e apreciar 3 Caravaggios!

Sim, três!!!!!!!

Triade de Caravaggio

Conheci esta igreja em minha última visita a Roma. Não sabia de sua existência até um colega italiano me levar até ela e conhecê-la foi uma grande surpresa para mim.

Esta igreja, do ponto de vista artístico, exalta a França através da representação de santos e de personagens históricos como estátua de Carlos Magno, São Luís, Santa Clotilde e Santa Joana de Valois.

Porém, o que chama turistas nesta igreja renascentista e que me surpreendeu é a capela Contarelli, que abriga 3 obras primas de Caravaggio, a famosa tríade caravagesca com: Martirio di San Matteo, San Matteo e l’angelo e Vocazione di San Matteo. Três belíssimos quadros!

Horário de abertura: Todos os dias das 10h às 12h30 e das 15h00 às 19h, exceto quinta feira (fechado);

  • Piazza Navona

[/media-credit] A Fontana dei 4 fiumi

É uma das mais célebres praças de Roma. A sua forma assemelha-se à dos antigos estádios da Roma Antiga, seguindo a planificação do Estádio de Domiciano. A origem do nome da praça deriva-se do nome do estádio: “Circo Agonístico” (do étimo grego Agonia, que significa precisamente – exercício, luta, combate). Atualmente, o nome corresponde à corruptela da forma posterior in agone, depois nagone e finalmente navone.

Sofreu intervenções de Bernini, com sua famosa Fontana dei Quattro Fiumi; Borromini com a igreja de Sant’Agnese in Agone; e de Pietro de Cortona, que pintou a galeria no Palácio Pamphilj, sede da embaixada do Brasil na Itália desde 1920.

A praça dispõe ainda duas outras fontes esculpidas por Giacomo della Porta: a Fontana di Nettuno (1574), na área norte da praça, e a Fontana del Moro (1576), na área sul.

FONTANA DEI QUATTRO FIUME:

Uma das mais belas fontes de Roma é, claro, do artista barroco italiano Bernini.
No centro, há um obelisco egípcio apoiado em uma base “oca”. As estátuas gigantes em mármore branco representam alegorias nuas dos quatros principais continentes do mundo (conhecidos até então) cortados por seus principais rios: Rio Nilo, na África; Rio Ganges, na Ásia, Rio da Prata, na América e o Rio Danúbio, na Europa.

Photo by Dalbera from Wikipedia
  • Piazza Campo de’ Fiori e o Palazzo Farnese

By Benjamin Dahlhoff, Wikipedia

É o campo aberto onde ocorre o tradicional mercato di Roma, com especiarias e produtos frescos. Curiosamente é a única praça sem igreja na cidade!
No meio da praça há uma estátua, erigida em 1881, em homenagem ao filósofo Giordano Bruno, queimado vivo naquele local pela igreja católica na condição de herege, por ter afirmado, assim como Galileu Galilei, que a Terra é que girava em torno do Sol (e não o contrário, como apoiado pela igreja).
Conselho: Uma passadinha aqui para comprar (ou provar gratuitamente) uns queijinhos para comer no meio do caminho não fará nem um pouco mal a vocês!

Na sequencia, que tal passar em frente ao Palazzo Farnese, um dos palácios mais suntuosos da Roma renascentista, residência da família Farnese e atualmente acolhe a Embaixada da França na Itália. Desenhado inicialmente por Antonio da Sangallo, um dos assistentes de Bramante, foi redesenhado por Michelangelo e completado por Giacomo della Porta.

  • Scavi romani no Largo de Teatro Argentina

Foto Wikipedia

É uma praça em nível abaixo da rua onde constam alguns templos da época da República Romana e as ruínas do Teatro de Pompeu.
O nome da praça não tem a ver com o país sul americano, mas com uma cidade de Strasburgo. Após a unificação italiana, foi deliberada a reconstrução parcial de Roma (1909) que passaria pela demolição da zona da Torre Argentina, onde constam os restos de uma torre medieval, a Torre Papito ou Torre Boccamazzi.

No entanto, durante os trabalhos (1927), foram descobertas uma cabeça e braços em mármore de grandes proporções, cuja investigação traria algum esclarecimento em relação a esta zona, como uma zona sacra datada da era republicana. Os templos fazem frente a uma estrada pavimentada, datada da era imperial, após o incêndio de 80 d.C. Após o incêndio de 80, o templo foi restaurado e os mosaicos brancos e pretos da câmara interior datam dessa restauração.

  • Piazza Venezia e o Vittoriano

Entre a Piazza Venezia e o Monte Campidoglio, o também conhecido Altare della Patria é um monumento em honra a Vittorio Emanuele II, primeiro rei da Itália unificada e “pai” da pátria italiana.
Feito de puro mármore branco de Botticino, apresenta uma majestosa escadaria, colunas coríntias, fontes, uma enorme estátua equestre de Vittorio Emanuele II e duas estátuas da deusa Vitória em quadrigas.
A estrutura tem 135 m de largura e 70 m de altura; Apesar de bonito e imponente, o monumento é controverso desde sua construção, pois significou destruir uma grande área do Campidoglio, a qual guardava vestígios medievais no local. O prédio é muito branco, contrastando no meio dos edifícios marrons que o rodeiam. Apesar de todo esse criticismo, o monumento ainda atrai um grande número de visitantes.

Foto Wikipedia

 

  • Outros posts por Roma:


Gostou? Compartilhe este texto:
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •  
  •   
  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Antes de viajar, não se esqueça de fazer o seu seguro viagem conosco. Use o cupom TURISTANDOIN5 e receba 5% de desconto. Aproveite e faça a reserva de hotel e do aluguel de carro conosco. Se quiser, entre em contato conosco. Fazemos todas as reservas de tua viagem gratuitamente.


About Juliana (www.turistando.in)

Sou a mãe do Léo quase full-time, professora de italiano (por algumas horinhas), esposa de um doutorando (que me deixa maluca) e, claro, a faz-tudo do Turistando.in!

34 thoughts on “Roteiro 2: A parte central de Roma (Roma Barroca)

  1. Acabei de voltar de Roma no inicio desse mês e não importa quantas vezes eu visite essa cidade, sempre volto encantado。。 Adorei o roteiro temático。 Algumas das atrações listadas eu acabei não conhecendo ainda。。 Um Ótimo motivo para voltar mais uma vez a cidade eterna。
    Abs

    1. Concordo com você, Oscar!
      Eu e meu marido pretendemos retornar novamente, mas para ficar no mìnimo 15 dias (por isso ainda não retornamos)!
      Muitos dos locais que citei eu também não visitei e morro de vontade. Montei o roteiro para alunos e resolvi complementar e divulgar!
      🙂

  2. Roma é realmente destes destinos maravilhosos para nunca esquecer. Pena que quando fomos choveu demais. Se já existisse este post, teria ido ao domo do Panteon com chuva para te contar, hehehe. Adorei o post. Muito bem explicado, bem completo. Parabéns!

  3. que roteiro fantástico Ju, eu deixei passar várias coisas legais em Roma, mas quero voltar muito e conhecer mais da cidade, o seu roteiro é perfeito pra quem é amante de história, igrejas e arte!
    Fiquei ainda com mais vontade de voltar a Roma! Beijos

  4. Juliana,
    Eu e meu marido vamos para Roma de 23/04/15 a 30/04/15 e vou seguir seus roteiro à risca! Vou até imprimi-los para servir de guia! Rsrsrs
    Vamos ficar num hotel ao lado da estação de trem tremini.
    Mas tenho 3 dúvidas:
    1) Quanto tempo leva cada roteiro? Azul meio período? Verde e vermelho consigo fazer em meio período também?
    2) Você acredita que conseguimos visitar o Vaticano em meio período (considerando que vamos acordar super cedo e já ir pra lá). Gostaria de visitar o Vaticano pela manhã, e depois seguir com o roteiro azul. Acha possível?
    3) Coliseu + fórum romano + termas de caracala consigo visitar em 1 dia?

    1. Oi Luciane
      Que legal! Meu roteirinho vai fazer um tour pela Italia!!!!!
      🙂

      Bom, vamos às duas perguntas:

      1) Voce vai rir, mas eu nao fiz o meu roteiro! Na verdade eu o criei aqui em SP mesmo, para ajudar os meus alunos. Me baseei na minha péssima experiencia de chegar no Vaticano ou no Coliseu e depois nao saber para onde ir e neste meio tempo, perder tempo! Mas vou chutar um pouco ok? Quem sabe te ajudo.

      O trajeto azul voce faria em meio perìodo se voce nao entrar no Museu do Vaticano (eu amo museus, mas muita gente entra apenas para ver a Capela Sistina. Independente disso, a Sistina é a ùltima sala a se ver. Isto é: mesmo que vc passe correndo pelo museu, terà que passar por todas as salas. Nao sei se existe um "atalho" pra quem quer ir apenas até a Sistina).
      A Basilica de San Pietro sempre tem fila, pois hà uma "triagem" forte da segurança ainda nas colunas. Eu jà fui em um dia (em um mes de abril!!!!!) que a fila dava volta em toda a praça (e neste dia eu nao entrei na igreja) e outras vezes (em junho e julho) que a fila estava pròxima das colunas. Mesmo assim, vc levarà pelo menos uns 30 minutos para entrar. Ah, nao sei se escrevi sobre isso (senao, preciso atualizar o post), mas pode ser que esteja calor quando voce for. Eu estava de vestido longo e comportado. Mesmo assim, me barraram. Como eu sabia desta frescura, coloquei uma camisetinha fina na mochila e me vesti!
      😉
      Voltando e resumindo: Sem entrar na igreja e museu Vaticano, o roteiro azul é feito em meio periodo. Entrando, acho que ele terminaria no final da tarde (e vc ainda pode ver o por do sol no Pincio, ao lado da Piazza del Popolo – o ponto final do roteiro)

      O trajeto verde e vermelho: Creio que ambos voce faça sim em meio periodo! O verde até menos, pois de super turistico tem apenas a Trevi e Piazza Venezia! Se o teu tempo for escasso, que tal fazer apenas o vermelho, mas tentar de alguma forma incluir nele a a Trevi e Piazza Venezia!? Sei là, uma sugestao. Iniciar com a Trevi, seguir o trajeto vermelho e terminar na Piazza Venezia! Isso vai te consumir uma manha e alguma parte da tarde!

      2) Puxa, depois que escrevi, vi tua pergunta n° 2. Bom, a resposta é sim! rs
      Resumi no que te escrevi acima!
      Quer um conselho? Compre antecipado o bilhete para o Vaticano (no site deles) para o 1° horàrio (acho que é às 9hs). Voce terà o museu vazio para voce!

      3) Sim!
      Acredito que o roteiro que fiz sobre a Roma antiga (http://osamigosdemochila.blogspot.com.br/2013/05/roma-dos-romanos.html) é possìvel em um dia inteiro. Talvez entrando no Museu Capitolino fique um pouco mais apertado!
      Eu diria que, chegando cedo, voce faz em meio perìodo o Coliseu e o Foro Romano!

      Bom, acho que respondi tuas dùvidas. Qualquer coisa, pode me escrever!
      baci

  5. Olá Juliana, tudo bem? Estou com viagem marcada para Roma em outubro e comecei a montar meu roteiro, por isso tenho lido muito e acabei encontrando seu blog, que é incrível, tem uma riqueza de detalhes.. to amando tudo!!
    Estou com algumas dúvidas e gostaria muito que vc me ajudasse… chegarei em Roma no dia 10 de manha cedinho, minha ideia é descartar a manhã com translado, hospedagem coisas do tipo… ficarei próximo a Estação de Termini, pensei em utilizar a parte da tarde, pra fazer praticamente seu roteiro verde, quero chegar na Fontana di Trevi já no fim tarde, para ve-la ao anoitecer tbm, com as luzes ligadas! Meu segundo dia está reservado para ir na Região da Roma Antiga, Coliseu, Foro Romano e etc, consigo fazer isso em meio dia ou será necessário o dia inteiro? E essa dúvida está ligada a uma segunda dúvida… tinha reservado o domingo dia 12 para ir até o Vaticano, queria ver a bênção do Papa, que eu nem sei se terá nesse domingo, mas a principio a ideia é essa, porém descobri que o Museu do Vaticano e a Capela Sistina não abrem aos domingos :/… sendo assim será q eu conseguiria visita-los no sábado na parte da tarde, depois do Coliseu ou seria cansativo demais e ruim o deslocamento??
    Desde já agradeço!!
    bjoss 😉

    1. Olà Rafaela!
      Que gostoso ouvir que meus relatos tem sido importante para outros viajantes!
      Fico muito feliz!

      Bom, vamos às suas perguntas:
      Me perdi um pouco nas tuas dùvidas, mas vou tentar responder.
      😉
      Voce chegarà em uma sexta, certo? Digamos que voce iniciarà o passeio às 14hs.

      Ficando perto de Roma Termini, voce pode caminhar até o centrinho barroco e fazer o roteiro verde. Mas nao se esqueça: voce vai estar super cansada da viagem! Eu aconselho, assim que vc terminar o roteiro, ir para o hotel e dormir no inìcio da noite! Deixe a "Roma iluminada" para alguma das outras noites. Assim voce estarà mais descansada e poderà circular por mais tempo e curtir mais.

      Quanto à parte de Roma antiga e Vaticano.
      Tente primeiro descobrir se haverà a bençao do papa no domingo 12! E também veja qual é o horàrio!

      Eu diria que a regiao do Vaticano, com o museu e a Basilica, voce faz em meia jornada (talvez um pouquinho mais, se tiver filas ou se voce curtir bastante museus. Os museus do Vaticano sao maravilhosos e imensos).

      A regiao da Roma antiga, depende:
      Voce pretende entrar dentro do Coliseu e Forum Romano, ou apenas aprecià-los do lado de fora?

      Digamos que tua ideia seja apenas circular pela parte antiga, vendo tudo de fora. Voce consegue sim fazer isso em meia jornada (incluindo o Capitolino e Piazza Venezia).

      Mas se voce quiser entrar nestes locais em apenas meia jornada, chegue bem cedo, com os ingressos jà comprados (para evitar a fila da bilheteria) e faça o Coliseu e o Forum até dar o teu horàrio!

      No entanto, eu não acho que Vaticano e Roma Antiga devam estar no mesmo dia, pois estao "distantes" e você perderà tempo. Mas caso seja a ùnica solução, pegue o metro. Nunca pegue ônibus para percurso distante. A chance de ficar presa no transito é imensa.

      Se ficou confuso ou precisar de mais ajudas, me escreva!

      Abbraccio,

    2. Muito obrigada pela ajuda… deu pra entender tudo direitinho sim, foi o que eu imaginava msm, acho que fazer Roma Antiga e Vaticano no msm dia ficará muito corrido e cansativo.. até porque eu quero sim entrar no Coliseu, no Fórum, tirar fotos, postar no Instagram.. tudo que eu tenho direito.. rsrsrs

      Vou pesquisar direitinho com relação a bênção do Papa, mas provavelmente farei o Vaticano no sábado e na parte da noite irei aproveitar a Roma Iluminada… até porque não quero fazer nada com correria… Deixarei o Coliseu pro domingo, minha ideia é comprar o Roma Pass e todos os tickets que puder pela internet, pra me livrar de filas e aproveitar ao máximo… Se eu perceber que estou com pique e a benção for bem cedinho talvez eu até tente ir antes do Coliseu, mas se não der, fica pra uma próxima.. já é uma desculpa pra voltar… rsrsrs

      Muito obrigada por tudo, continuarei por aqui lendo mais dicas!!
      bjinhoss

    3. As 3 vezes que estive em Roma foram em dias de semana. Me disseram que aos finais de semana, carros e onibus sao proibidos de circular dentro do centro historico. Nao sei se é verdade, mas com isso enfatizo o uso de metro!
      E apesar de ser um pouco mais caro, compre sim todos os bilhetes online pois as filas podem ser monstruosas!
      rs
      E isso vale para toda Italia!
      Em Firenze, eu e meu marido chegamos super cedo para ir ao Uffizi! Na época eu nao sabia sobre a venda online. A fila nao estava grande, mas levamos mais de uma hora pra entrar. Os funcionarios da bilheteria sao super lerdos!
      🙁
      Bom, precisando de ajudas, pode me escrever!!
      😉
      Bjs

  6. Oi Juliana, parabéns, vc nos dá uma verdadeira aula sobre Roma que para mim está sendo muito valioso, pretendo conhecer Roma Firenze e Veneza com minha esposa e confesso que fiquei com mais segurança, principalmente sobre Roma, ver as suas postagens. Pretendo ficar 4 dias em Roma e vou seguir o roteiro que vc sugere para cada dia. Uma das dúvida seria se é possível fazer esses trajetos a pé, mas já vi a sua resposta para a colega, e outra duvida não sei se vc pode responder, mas pretendo ficar em um Hotel próximo do Vaticano, na via Otaviano, que vi várias indicações no mochileiros e parece ser muito bom, inclusive a dona e Brasileira e dá muitas dicas, também alguém já relatou que tem ônibus do Aeroporto para a Praça Cavour que fica próximo ao hotel o que facilitaria muito o deslocamento, não haveria necessidade de passar por Termine. Vc sabe alguma coisa sobre isso? Muito obrigado pelas dicas. Abraço. Paulo

    1. Oi Paulo
      Vi tuas mensagens antes, mas nao pude responder!
      Primeiramente, obrigada pelos elogios! Significa que valeu a pena escrever!
      🙂

      Respondendo as tuas perguntas, como voce jà leu acima, sim, é possìvel e até mesmo melhor fazer tudo a pé! Como voces estarao pròximos do Vaticano, para ir até a zona do Colosseo, và de metro! Entre nos onibus apenas se o caminho a ser percorrido for pequeno!
      Nao se esqueça de verificar o horàrio de fechamento do metro. Nao me lembro ao certo, mas nao é a meia noite como em SP. Ou é às 22h ou às 23h.

      Eu conheci apenas o aeroporto de Ciampino, em Roma (domestico). Me lembro que peguei um onibus que me levou até o Roma-Termini. Mas se existe uma linha que và até a Piazza Cavour, de preferencia.
      Se eu mal me engano, hà uma linha de metro que sai do Fiumicino e segue até a estacao Termini, que é de trem e de metro (e fora tem o terminal de onibus).

      Abraços (vou responder a tua pròxima pergunta!!!)
      😉

  7. Bom dia

    Sera que vocês pode me ajudar, estou indo para italia nesse mês.
    chego em roma dia 24/01 as 12:00 e volto tambem por roma dia 04/02 as 07:45

    Pensei no meu roteiro ser mais ou menos o seguinte, 5 noites em roma 4 noites em Florença, para fazer os bate voltas próximos de trem e 2 noites em vezea

    Minhas duvidas são quando chegar vou direto para Veneza, Florença ou fico em roma, digo isso porque dia 04 as 07:00 tenho que ta no aeroporto então tinha pensado em deixar roma por ultimo, ou sera que isso vai ser muito cansativo?

    quanto ao roteiro você tem alguma dica para me dar? alguma mudança? algo que eu não posso deixar de visitar?

    Agradeço muito se você poder me dar algumas dicas.

    1. Oi Anderson

      Você chegarà por volta do meio dia no aeroporto de Fiumicino ou na cidade de Roma?
      Se for no aeroporto, imagino que vc deva chegar por volta das 13… 14h na estacão Roma Termini (pensando em atraso de voo, fila na policia federal e trasnfers atè a Termini).

      Apesar de cansativo, acho que eu iria direto para Venezia!
      Como este primeiro dia é morto, vc pode pegar um trem de alta velocidade até Venezia (aproximadamente 4hs de viagem) ou um normal (aproximadamente 5h30 de viagem), zanzar pela cidade a noite ou dormir para aproveitar os 2 dias seguintes.

      Pode ser que vc encontre algum voo low cost do Ciampino (aeroporto domestico de Roma) até o aeroporto de Venezia (Marco Polo)

      De Venezia para Firenze (Florença) são aproximadamente 2hs de viagem em trem de alta velocidade ou 3hs de viagem em um trem normal e de Firenze para Roma 1h30 no trem veloz ou 4 hs no Regionale.

      Desta forma, você curtirà mais a cidade de Roma (que é mais rica que as outras duas)

      Em relação à quantidade de dias, 4 dias apenas na cidade de Firenze, eu diria que è muito. A não ser que tua ideia seja entrar em todos os museus e palàcios da cidade!

      Por isso, eu acrescentaria um pulo ràpido em Lucca e Pisa (acorde cedo e vc farà essas duas cidades em meia jornada) e faria um bate volta (ou uma noite) em Siena e San Gimignano
      Existem excursões que fazem estas duas cidades em um dia partindo de Firenze (eu fiz um dia em cada uma destas cidades!)

      Caso precise de mais informação, è sò pedir!

      Abraços,

      Juliana

  8. Olá Juliana,
    Adorei o seu blog. Estou com uma viagem programada para Roma de 24/12 a 28/12 e simplesmente amei as suas dicas de roteiros, mas fiquei com dúvidas….estes passeios pelos trajetos propostos são à pé?? Espero que você possa me ajudar a entender isso, pois ficarei em um hotel próximo a estação termini e já estou tentando montar como será meu deslocamento para os pontos iniciais do seu roteiro. Se for a pé, me esclareça se são caminhadas muito longas pois já não sou muito jovem…tenho 50 anos e meu marido 55. Parabéns pelo seu blog. Obrigada. Grande abraço

    1. Oi Tereza
      Fico contente que voce tenha gostado do blog!
      Estou sem tempo de atualiza-lo, mas se precisar de mais dicas, é sò escrever!

      Bom, eu sempre aconselho hoteis proximos das estacoes de trem pois é mais facileconomico para se deslocar para outras cidades e muitas vezes pela pròpria cidade, porém, tem alguns pontos perto da Termini que nao sao bons circular muito tarde. Pelo menos em 2008 eu tive esta sensacao!

      Em relaçao ao meu trajeto, é sim para ser feito a pè! E em no mìnimo 3 dias correndo (sem museus), 4 dias correndo (com museus) ou 4 dias sem museu e um pouco menos corrido.

      Claro que eu pensei em minhas pernas…. que tinham 30 anos quando fui. Mas creio que voces conseguirao sem grandes problemas.
      O que voces podem fazer é, quando uma atraçao estiver longe demais da proxima atraçao, pegue um bus!
      O bilhete Roma Pass permite usar os meios de transporte durante 3 dias seguidos!!!!!

      😉

Gostou? Tem dúvidas? Nos deixe uma mensagem: