O Memorial nacional dos heróis do terror de Heydrich

O Memorial nacional dos heróis do terror de Heydrich

O Memorial nacional dos heróis do terror de Heydrich

Quer uma dica para conhecer um pouco da história triste de Praga? Fomos conhecer o Memorial nacional dos heróis do terror de Heydrich (Národní Památník hrdinu heydrichiády ou National Memorial to the Heroes of the Heydrich Terror).
Esse pequeno museu tenta não apagar da memória um triste fato ocorrido no país.

O memorial é um autêntico lugar de batalha da Segunda Guerra Mundial, pois foi um refúgio secreto que a Igreja Ortodoxa Checa ofereceu aos pára-quedistas checoslovacos que assassinaram o terrível protetor do reich Reinhard Heydrich.

A exposição está localizada na cripta da igreja barroca de São Cirilo e Metódio. A exposição é pequena e acaba sendo muito interessante após ler ou ouvir informações sobre o ocorrido naquele local.

Acredito que tenha tour guiados (não achei informações no site), mas ao chegarmos, lemos a cronologia dos fatos no painel do saguão e pedimos mais informações sobre o local e o Petr nos ajudou bastante.

Quem foi Heydrich?

Reinhard Heydrich foi um dos líderes da Schutzstaffel (“Tropa de Proteção”) durante o regime nazista na Alemanha. Assumiu o cargo de protetor dos territórios da Boêmia e Morávia em 1941 e cometeu no período da sua liderança diversos “horrores” e “terrores” que o deu o apelido de “Carniceiro de Praga”.

Mas, o que aconteceu?

O Memorial nacional dos heróis do terror de Heydrich
A “portinha” de entrada

Bom, em maio de 42, o carro no qual Heydrich viajava foi emboscado e ele foi assassinado por dois integrantes da resistência tcheca, treinados na Inglaterra. Eles foram lançados de paraquedas sobre a Tchecoslováquia.

Os dois integrantes que participaram diretamente do assassinato, Gabčík e Kubiš, se esconderam na cripta da igreja de São Cirilo e Metódio junto com outros 5 integrantes.

Os alemães, sem saber da localização exata deles, partiram para uma vingança, que causou perto de 1500 mortes em toda a Tchecoslováquia e se estendeu a parentes e amigos de resistentes.

A mais cruel ocorreu no vilarejo de Lídice, que era suspeita de ter acolhido os dois assassinos.  Foram 340 habitantes, sendo 173 homens, 60 mulheres e provavelmente 88 crianças. Os homens acima de 15 anos foram fuzilados e as mulheres e crianças levadas à campos de concentração.

Após o massacre, a cidade inteira foi demolida por explosivos e os alemães espalharam grãos e cevada pelo chão de toda a área para transformá-la em pasto e a riscaram dos mapas da Europa.

E o que ocorreu com os resistentes tchecos?

O Memorial nacional dos heróis do terror de Heydrich

Os dois, junto com mais outros 5 pára-quedistas do grupo se esconderam na cripta desta igreja, um local sem porta que, para entrar, tinha que empurrar uma pedra e descer por um buraco e ali ficaram por 22 dias.

O paradeiro só foi descoberto porque um dos pára-quedistas do grupo os traiu em troca de dinheiro.

Os nazistas entraram na igreja, atirando em todas as pessoas que estavam ali dentro. O objetivo era capturá-los ainda vivos, mas ao perceber que não conseguiria resistir, os que ainda estavam vivos se suicidaram.

Além de muitas outras pessoas que prestaram assistência aos pára-quedistas, oficiais da Igreja Ortodoxa de São Cirilo e Metódio que ajudaram a esconder pára-quedistas também foram executados.

Após o término da guerra, o regime comunista tentou ocultar os fatos, visto que a “liberação” (ou o assassinato do alemão) foi obra dos britânicos. Apenas após o fim de regime comunista o local foi reaberto e assim contar ao mundo o que ocorreu ali dentro.

Apesar de uma história pesada, o museu é muito interessante (assim como a igreja) e vale muito a pena uma visita.

Como chegar até o local?

O Memorial nacional dos heróis do terror de HeydrichQuebramos cabeça para encontrar o memorial, pois não sabíamos que ficava na cripta de uma igreja. Quem nos guiou foi o navegador offline do Google Maps e quando chegamos no endereço (Resslova 9a, Praha 2 – Nové Město, 1) , achamos uma porta fechada e sem nenhuma indicação.
Olhamos para os lados e nada.

Vimos no final da rua um prédio diferente e cheio de gente. Achamos que era ali (na verdade era o Dancing House) e ali ninguém soube nos indicar.

Voltamos para onde constava o endereço e vimos em uma ruazinha (Na Zderaze), embaixo da entrada da igreja, uma placa indicando a cripta.

Informações: http://www.pamatnik-heydrichiady.cz/default.asp?sid=0&lang=EN&id=0&act=0

Preços: 75 CZK (aproximadamente 3€)


Salve este post dentro do Pinterest para ler depois e siga nosso perfil!
🙂

 

About Juliana (www.turistando.in)

Sou a mãe do Léo quase full-time, professora de italiano (por algumas horinhas), esposa de um doutorando (que me deixa maluca) e, claro, a faz-tudo do Turistando.in!

13 thoughts on “O Memorial nacional dos heróis do terror de Heydrich

  1. Eu não conhecia esse acontecimento… Não tinha também ouvido falar desse local, quero muito conhecer um dia. As histórias de guerra são realmente muto tristes mas muito importantes pra conhecermos a história. Parabéns pelo texto e pelas fotos!

  2. Não conhecia este episódio da resistência checa durante a 2ª Guerra Mundial. Infelizmente a bravura de uns, causava paralelamente a desgraça de outros, neste caso a sede de vingança foi mesmo macabra, principalmente por se tratarem de inocentes.

  3. Quando estive em Praga passei na frente desse museu, mas acabei optando por não conhecê-lo. Nem lembro o porquê! Mas que interessante a história dele, acho que realmente fica melhor ir visitá-lo depois de ler um pouco sobre o local. Praga sofreu muito mesmo com a Guerra e eu pelo menos consegui sentir isso só de andar nas ruas. Essa história de ficar 22 dias vivendo nessas condições me lembrou um pouco da história da Anne Frank e família. É uma pena, mas é a história né? Acho que a essa altura o importante é que a história nunca mais se repita, né?
    Adorei o post, sinto que apesar de passar por alguns lugares, sempre fica faltando informação sobre eles… Essa história completou um pouquinho o que sei sobre a cidade. 🙂

  4. A segunda guerra mundial é repleta de violência e de absurdos que até hoje chocam. Essa história de Liditz é medonha

    Imagine o terror que não deve ter sido!

    Eu não sabia da parte da história da igreja e do abrigo. Vou querer visitar, com certeza, por mais dura que sejam estas visitas. bjus

  5. Gostei muito da história. E, admito, desconhecia o museu. Estive este ano em Praga e não passou pelo meu escrutínio. Gosto desses lugares que avivam a memória. Quando se trata de guerra, dificilmente temos histórias com finais felizes. Ainda bem que eles cumpriram com a sua missão e acabaram com mais um animal-nazi.

Gostou? Tem dúvidas? Nos deixe uma mensagem: