Bruxelas é o que há de bom!

Bruxelas é o que há de bom!

Texto escrito pela Karina Bibiano
BruxelasEm viagem de férias pela Europa, fui visitar um país que nem é tão concorrido nas rotas turísticas, Bélgica, ou mais especificamente a capital, Bruxelas.
Um lugar sem um monumento emblemático, mas dona dos melhores prazeres gastronômicos: Chocolate, Cerveja e Batatas Fritas.
Sim, a Bélgica tem o orgulho de apresentá-los como sendo um patrimônio gastronômico do país. E posso garantir que são realmente fenomenais no que fazem!

Hospedagem

Para se hospedar em Bruxelas, preferi ficar em um hostel, no entanto, como não são muitos que existem na região, recomendo pesquisar com uma certa antecedência. Resolvi ficar no Hello Hostel, apesar ficar um pouco afastado do centro, ele era muito agradável e está localizado próximo ao metrô e do lado da famosa fábrica de chocolate Godivas. Hummm!

A Cidade

É possível conhecer toda a cidade em 3 ou 4 dias. E não pense que são poucos dias, porque ela reserva muitas particularidade. Caminhando pelo centro e atentando-se às paredes dos prédios, já é possível ver as várias imagens de cartoons como Tim tim desenhadas, afinal a cidade reserva um museu do cartoon (The Belgian Comic Strip Center), um espaço bem interessante aos fãs de desenhos, aliás, Tim Tim, Milu e os Smurfs são os anfitriões do museu.
 Caminhando pelas ruas para chegar à praça central, me deparo com o símbolo da Bélgica, o nanico Manneken Pis, ou a famosa fonte do mijãozinho cercada, mas atraindo turistas para as fotos.
Ao redor do maneco, estão as famosas chocolaterias sendo quase obrigatória a parada para provar algumas iguarias que se derretem na boca. E se o chocolate não fosse pouco motivo, bem ao lado fica a casas que vendem os melhores Wafflers do mundo! Feitos não hora e saindo quentinho, é possível escolher os sabores ou simplesmente ficar com o tradicional, e tudo isso, por apenas 1 euro! Uma pena não ter podido trazer para estocá-los, mas só de provar essas iguarias, já compensou a visita.
A arquitetura da cidade é um caso a parte, e tratando desse ponto, preciso confessar que quando cheguei na Grand Place, pude crer que Victor Hugo tinha razão: é a praça mais bela da Europa, se não, a do mundo.
Um cartão de visitas e tanto.
Suntuosa, ela é cercada por prédios centenários como o Hotel de Ville e a Casa do Rei (ou mais conhecido como a Câmara Municipal). É nesta praça que é formado o tapete de flores, conhecido em Bruxelas.
Ao anoitecer, o edifício da Câmara é iluminado por distintas cores de luzes, deixando o espetáculo ainda maior. Vale a pena, sentar-se no centro da praça e ficar apreciando cada detalhe, inclusive há um prédio onde consta que Karl Marx e Friedrich Engels escreveram o Manifesto Comunista.
Bem proximo dali, fica a Gare Central, ou a Estação Central, de metrô. E um detalhe que preciso contar é quanto aos bilhetes de metrô. São poucas as estações que possuem catraca, por isso, o esquema de transporte é comprar o bilhete de metrô em uma das máquinas eletrônicas e validá-lo em alguma máquina na Estação, pois caso contrário, pode ter o risco de ser parado por alguns dos guardas que circulam os vagões e ser obrigado a pagar uma multa um pouco salgada, além de passar um constrangimento desnecessário.
Afora do centro, é possível conhecer a famosa obra artística Atomium, construída para a Expo 58, com mais de 100 metros de altura, é possível visitar o monumento e ver a cidade de cima, o meio mais fácil é pegar o metrô e descer na estação Heizel. Outra visita que merece a pena “gastar” um tempinho é o Parlamento Europeu, sede parlamentar da União Européia, onde possui um museu interativo muito interessante sobre a historia da Europa, no final é possível entrar na sala das convenções internacionais, confesso que me senti na ONU!
E para fechar com chave de ouro, tive que visitar as tradicionais Friteries, ou o local que vende as melhores batatas fritas belga, afinal, não é por menos que os belgas defendem uma campanha popular para que as batatas fritas se tornem um patrimônio cultural da Bélgica, já que (dizem) são os verdadeiros inventores, tirando o posto dos franceses com as mais conhecidas french fries.
E antes de partir, não se esqueça de tomar uma autêntica cerveja belga vinda dos mais tradicionais trapiches e produzida pelos monges. Bruxelas é aquele lugar que, apesar do friozinho típico, é uma cidade muito acolhedora, que convive pacificamente com uma grande população de imigrantes, vindos do Oriente, e uma cidade bem moderna que também sabe conviver com seu passado. Particularmente, esta cidade possui motivos de sobra para que a visitemos mais vezes.

Pit-stop da Cori em Bruxelas

A Corinne do Meu Ponto de Partida também visitou Bruxelas em um bate e volta. Leiam abaixo como foi! 😉
Nosso pit-stop em Bruxelas
Aproveitamos o trecho de trem que fizemos entre Londres e Amsterdam para um pit-stop bem rapidinho em Bruxelas ! Saímos MUITO cedo de Londres – 5 horas da matina já tínhamos saído de casa! Foi um dia só e que passou voando, mas já deu pra ter um gostinho – literalmente – da cidade ! O que fizemos foi provar o chocolate, o waffle e a cerveja e mesmo com pouco tempo aproveitamos muito. (Leia Mais)

3 thoughts on “Bruxelas é o que há de bom!

Gostou? Tem dúvidas? Nos deixe uma mensagem: