O Sestiere de São Marco e ilha de San Giorgio

Veneza Italia Sestiere San Marco
Gostou? Compartilhe este texto:
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •  

Sestiere San Marco e a ilha de San Giorgio

No coração da “Sereníssima”, o sestiere San Marco  nasceu junto ao Rialto antes do centro político e judiciário se instalar na praça homônima.
Praça de São Marcos nasceu em redor das duas primeiras igrejas da zona. Uma delas, a igreja de San Geminiano, foi destruída por Napoleão em 1807, para construção da “Ala Napoleônica”. O nome de São Marcos provém da relíquia do santo, instalada na basílica desde 828.
Além da basílica, o sestiere abriga as igrejas de Santo Stefano e San Mosè.
Na ilha de San Giorgio Maggiore, a sublime Basílica de San Giorgio Maggiore e o seu campanário. O principal palácio é o Palazzo dei Dogi (o seu anexo “carcerário” encontra-se já no sestiere contíguo de Castello). É no sestiere de San Marco que se encontram ainda o Palácio Contarini del Bovolo com a sua famosa escadaria, e o Teatro La Fenice, o teatro de ópera da cidade.

 

(mapa de San Marco com uma sugestão de trajeto)
Legenda no mapa: (1) San Mosé, (2) Ponte dell’Accademia; (3) Campo S. Stefano; (4) Piscina S. Samuele; (5) Scala del Bovolo; (6) Campo San Bartolomeo; (7) Complesso di San Marco
  • Igreja de São Moisés (1 no mapa):

Nas proximidades da igreja de São Marco, foi levantada esta igreja em estilo barroco. Primeiramente se chamava San Vittore, porém, no século X, a igreja foi reedificada (por motivo de instabilidade) por Moisè Valier, que decidiu também alterar seu nome.
A igreja é constituída de apenas uma nave com uma capela grande no meio de duas outras menores. No altar maior há uma imensa e belíssima tela com esculturas em alto-relevo feita por Enrico Merengo que representa Moises se esticando para receber as tabuas das leis. No interno são conservados quadros do século XVII e XVIII entre eles a “Lavanda dei piedi” de Tintoretto e “Ultima Cena” de Palma Il Giovane.
Horário de Abertura: segunda a sábado das 09h30 às 12h30.
  • Ponte DellAccademia (2 no mapa):

É uma ponte em arco que liga os sestieri de São Marco e Dorsoduro, originalmente em ferro e inaugurada em 20 de novembro de 1854 com o nome de Ponte della Carità (devido ao complexo da Carità que compreendia um convento, igreja e escola. Hoje abriga as Gallerie dell’Accademia).
É uma das quatro pontes – juntamente com a Ponte de Rialto, a Ponte dos Descalços e a Ponte da Constituição – que atravessam o Grande Canal.
Ps: Na foto, é possível ver o Palazzo Cavalli-Franchetti, que abriga o Istituto veneto di scienze, lettere ed arti. O Accademia se encontra do outro lado.
  • Campo e igreja de São Estêvão (3 no mapa)

É um dos campos mais vastos da ilha com as igrejas de Santo Stefano, San Vidal e os palácios Morosini, Loredan e Pisani. No centro há uma estátua de Niccolò Tommaseo.
Uma particularidade deste campo è que durante a primavera, as crianças de Veneza usam este espaço como “parquinho de diversões”.
Fundada no século XIII em estilo gótico, a igreja foi reconstruída no século XIV e alterada no início do século XV.
Interno: O imponente portal gótico da igreja é obra de Bartolomeo Bon. O teto apresenta uma estrutura em forma de quilha de navio, percorrido por coluna de mármore de Verona.
Caso quase único na cidade, o abside da igreja é também uma ponte por debaixo da qual corre um rio navegável. O seu campanário muito alto, de planta românica com três arcos rematados por um tambor octogonal, é caracterizado por uma acentuada inclinação (veja na foto). Dentro se conserva o corpo de Santo Stefano Protomartire.

Obras de arte relevante:

Antonio Canova: estela comemorando Giovanni Falier no batistério; Pietro Lombardo: túmulo de Giacomo Surian; Tullio Lombardo: duas estatuetas de mármore na sacristia; Tintoretto: A agonia no jardim, A última ceia e O lava-pés, todas na sacristia; Paolo Veneziano: Crucifixo pintado na sacristia; Bartolomeo Vivarini: São Lourenço e São Nicolau de Bari na sacristia
Estranhezas: Foi diversas vezes cenário de episódios de violência e homicídios, motivo pelo qual ao longo dos séculos foi desconsagrada por seis vezes.
  • Teatro La Fenice (nome no mapa – se pronuncia Fece)

O Teatro La Fenice (A fênix) é o principal teatro lírico de Veneza, localizado no campo San Fantim. Destruído diversas vezes e reedificado, é a sede de uma importante temporada operística e do festival internacional de música contemporânea.
Construído rapidamente em pouco mais de um ano, foi inaugurado em 16 de maio de 1792 com a ópera de Giovanni Paisiello: I giochi di Agrigento.
Foi destruído em dezembro de 1836 por um incêndio, mas foi reconstruído logo em seguida, repetido o projeto original.
A outra grande tragédia ocorreu em janeiro de 1996, quando o teatro foi completamente destruído por outro incêndio. Depois de oito anos de obras, no lema “dov’era e com’era”, o teatro foi reinaugurado em 14 de dezembro de 2003 com um concerto dirigido por Riccardo Muti, um dos maiores maestros italiano.
  • Palácio Contarini del Bovolo (5 no mapa): 

É um pequeno palácio gótico muito conhecido pela sua escadaria de caracol no exterior, que tem um grande número de arcos e que é conhecida como a “Scala Contarini del Bovolo“. O palácio data do século XV e sua escadaria de caracol conduz a uma galeria, de onde se oferece uma encantadora vista panorâmica sobre alguns dos telhados da cidade. O palácio está situado perto da calle Campo Manin, junto à Ponte de Rialto.
Horário de Abertura: segundo o site da prefeitura de Veneza, a escada está fechada para restauração.
http://www.scalabovolo.org/bovolo2.html
  •  Campo e igreja de Sao Bartolomeu (6 no mapa):

Outro campo veneziano que está a poucos passos da ponte de Rialto. Muito frequentado e ativo pela sua posição estratégica (considerado o coração socioeconômico da ilha), é a sede bancária veneziana.
No centro do campo há um monumento a Carlos Goldoni (famoso dramaturgo, escritor e letrista veneziano. Conhecido pelo livro Commedia dell’Arte).

Em direção à ponte de Rialto é possível ver, quase escondida, a fachada da igreja de San Bartolomeo.

  • Ilha e Igreja de San Giorgio Maggiore

    ISLA E CHIESA DI SAN GIORGIO MAGGIORE
    A ilha de San Giorgio Maggiore fica a leste da ilha Giudecca e a sul do principal grupo de ilhas. Está rodeada por diversos canais e faz parte do sestiere de San Marco. A ilha foi provavelmente ocupada no período romano; no ano 829 tinha uma igreja consagrada a São Jorge, daí que fosse chamada San Giorgio Maggiore (São Jorge Maior).

    San Giorgio
    é atualmente conhecida, sobretudo pela sua Basílica de San Giorgio Maggiore, desenhada por Andrea Palladio. Na ilha, realizou-se o último conclave fora de Roma, o conclave de 1799-1800.
    Obras de arte relevante:
    É a igreja de San Giorgio Maggiore que abriga os últimos quadros de Tintoretto: A Última Ceia (1592-1594), Recolha do Maná (1594) e A Deposição (1592-94). As duas primeiras encontram-se nas paredes do presbitério, e a última na capela dos mortos.
    Dica: É esta a ilha coma igreja e o campanile da famosa paisagem com as gôndolas encapadas com um manto de azul (ao lado,
    foto que tirei em 2008). Vale a pena, após a visita à San Marco, sentar-se na beira do canal e apreciar essa visão encantadora.


Gostou? Compartilhe este texto:
  •  
  •  
  •   
  •   
  •   
  •  
  •   
  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Antes de viajar, não se esqueça de fazer o seu seguro viagem conosco. Use o cupom TURISTANDOIN5 e receba 5% de desconto. Aproveite e faça a reserva de hotel e do aluguel de carro conosco. Se quiser, entre em contato conosco. Fazemos todas as reservas de tua viagem gratuitamente.


About Juliana (www.turistando.in)

Sou a mãe do Léo quase full-time, professora de italiano (por algumas horinhas), esposa de um doutorando (que me deixa maluca) e, claro, a faz-tudo do Turistando.in!

Gostou? Tem dúvidas? Nos deixe uma mensagem: